Como perguntar aos miúdos como correu o dia quando eles… não estão para aí “virados”? 3 Dicas infalíveis!

Não é invulgar (nada mesmo!) a resposta à questão: então, como correu o dia? – não ter o retorno desejado. Levamos com um: normal… – ou ainda – bem. Grrrr….

Então experimentem:

  1. Qual foi o melhor e o pior momento do dia? (cá em casa fazemos isto quase sempre à mesa do jantar, e todos participamos).
  2. Sabes o que almocei hoje? (…) E tu, o que almoçaste?
  3. Contem qualquer coisa sobre o vosso dia, essa partilha permitirá que os vossos miúdos partilhem também ou opinem sobre os eventos do vosso dia.

Resumindo: aprendi que eles se sentem muitas vezes “alvos” de escrutínio, vedando-nos de imediato a porta para o seu mundo. Se partilharmos, as nossas alegrias, tristezas, dúvidas, desejos e planos (q.b., evidentemente e ajustados a cada idade), mais facilmente  eles irão interagir.

Boas conversas e até já…

laço 100px

 

Cor de pele? Isso não existe!

Muito embora tenha crescido no seio de uma família onde a descriminação racial, entre outras, fazia parte do quotidiano, esforcei-me por educar – primeiro e antes de mais, por me “reeducar”, uma vez que uma série de terminologias, porventura discriminatórias, faziam, “naturalmente” parte do meu vocabulário – os meus filhos para a não exclusão social, racial, religiosa, sexual, procurando transmitir que o respeito pelo próximo é fundamental, independentemente das diferenças.

Fiquei surpreendida – positivamente surpreendida – quando a professora da C se esforçou por ignorar os meninos que pediam lápis cor de pele: “Lápis cor de pele?! Não sei o que isso é.”

Na sala de aula da C, 2º ano, aprenderam que há tantas cores de pele diferentes, que não podiam eleger uma cor denominada “cor de pele”.

Parabéns Professora A.

laço 100px